O chefe do PlayStation acredita que o jogos como serviço são o futuro da indústria – não assinaturas como Game Pass


Ontem, a Sony reagiu ao relançar o seu homólogo menos bem sucedido PlayStation Now, como parte do PlayStation Plus, que no futuro estará acessível em três níveis de preços, o segundo dos quais lembra um pouco o Xbox Game Pass.

Julgamos que o relançamento foi uma manobra pragmática – uma tentativa de encobrir o Xbox Game Pass em vez de igualar ou até mesmo superar o serviço popular – e assim sugere o chefe da Sony Interactive Entertainment, Jim Ryan, em entrevista ao Gamesindustry.biz, publicado ontem. Aqui, o chefe da PlayStation afirma que não acha que as assinaturas terão o mesmo impacto na indústria de jogos que já vimos com música e filmes, onde é a forma dominante de distribuição.

“A assinatura certamente cresceu em importância ao longo dos últimos anos. Nosso número de assinantes do PlayStation Plus cresceu de zero em 2010, para 48 milhões agora. E prevemos, para nossos serviços, que veremos um crescimento ainda maior para o assinante “Mas o meio dos jogos é tão diferente da música e do entretenimento linear, que não acho que veremos chegar aos níveis que vemos com Spotify e Netflix”, diz Jim Ryan.

Em vez disso, Jim Ryan estima que os jogos como serviço impulsionarão o crescimento da indústria de jogos daqui para frente. Jogos online com atualizações contínuas de conteúdo e incentivos para microtransações tornaram-se uma parte maior da estratégia da Sony, como a aquisição da desenvolvedora de Destiny Bungie por US$ 3,6 bilhões ilustrou marcadamente.

Lembramos que a Sony afirmava que iria focar em jogos single-player antes e já chegou a criticar o modelo de jogos como serviço no passado. Bem, agora eles resolveram apostar nisso e comprar estúdios voltados para este tipo de jogo.

“Esse fenômeno do jogo como serviço … que, em grande parte, alimentou o enorme crescimento na indústria de jogos que vimos nos últimos dez anos. Acho que a tendência de serviços continuará e se você procurar um modelo em nossa categoria de entretenimento, que suporte o engajamento sustentado por um longo período de tempo, os jogos como serviço se encaixam melhor nessa conta do que um serviço de assinatura”, explica Jim Ryan.